Publicações

isecorp3

O PODER DO ATENDIMENTO NOTA 10

17 jun 2020

Por Beneditto Marques.

Uma moça, bem jovem, bonita, sem sinais de riqueza ou ostentação aparentes, mas bem vestida, passeando pelos corredores daquele maravilhoso shopping center, despretensiosa, numa tarde preguiçosa de domingo, quando se depara com uma vitrine que lhe chamou a atenção. Não era uma vitrine daquelas preparadas para ganhar concurso de merchandising, mas, em sua arrumação, disposição e atração, continha uma exposição, no mínimo intrigante!

Ali estavam expostos produtos de todos os tipos de inovação tecnológica, com objetos tão inovadores que nem sabemos ao certo para que servem, mas com um irresistível apelo de consumo. E foi assim, nesse ambiente de curiosidade e ousadia que nossa jovem adentrou a loja.

A loja tinha poucos funcionários, mas seus atendentes não deixavam escapar nenhum detalhe e, assim que a jovem entrou, imediatamente uma atendente deu-lhe as boas-vindas e se colocou à disposição, perguntando se a moça tinha interesse específico em algum produto. A resposta foi a mais tradicional possível: – Obrigada, estou só olhando!

A atendente foi de uma sutileza bem-humorada incrível: – Eu me chamo “fulana” e, se em sua “olhadinha”, algo lhe chamar a atenção e precisar de ajuda, eu estarei por perto, é só me chamar. Fique à vontade.

Dito isso, a atendente saiu suavemente do lado da moça sem, no entanto, perde-la de vista e, continuou atendendo outros clientes. Esporadicamente, dava uma olhadinha para ver se estava tudo bem.

A moça estava encantada com aquele mundo de tecnologia, mas nem tudo estava claro: qual funcionamento, qual a finalidade, que tipo de energia dispendia, qual seria o valor, etc… Ah, surpreendeu-a também a simplicidade objetiva e educada da atendente da loja.

De repente, deparou-se com um objeto que, além de lindo, emitia luzes discretas, mas de uma beleza impar e, tinha certeza que ouvia um som suave e maravilhoso que vinha de seu interior. Quando se inclinou para ver melhor, a atendente chegou suavemente e perguntou: – Gostaria de ver funcionando? Com um largo sorriso, a moça respondeu: – Posso? – Claro, será um prazer demonstrar, disse a atendente. A parti daí, deu-se um verdadeiro show de conhecimento, simplicidade e cumplicidade, pois a atendente foi ensinando passo a passo, demonstrando cada funcionalidade, explicando que benefícios seus efeitos traziam para o conjunto da obra.

Aí chegou aquele momento do “preço” que todos nós tememos, quando recebemos um baita atendimento como aquele para um produto fantástico. E nessa hora, mais uma demonstração de profissionalismo diferenciado e atenção da atendente.

Reparando no biotipo, trajes e postura da moça, a atendente já tinha desenvolvido uma argumentação para sustentar o “valor” e não o preço do produto.

Disse a atendente: – Antes de falarmos sobre “preço”, eu gostaria de saber o seu grau de satisfação se possuísse um produto como este? Explicado, a atendente continuou: – A sonoridade deste aparelho vai de mínimo (suavidade total) a máximo (som de discoteca) sem perder a qualidade, o que certamente alegraria o seu dia a dia e ainda animaria os seus fins de semana com a galera amiga; O tamanho do produto foi dimensionado para não atrapalhar nem exigir espaço avantajado; Seu designe arrojado, traduz toda modernidade nas linhas, características que v. valoriza (reparado nas roupas, relógio, pulseiras e cordão) e as luzes emitidas ao compasso da música, lhe transmitem a emoção e vibração que esta lhe passa, sem denotar um ar brega ou vulgar. Tudo isto reunido num único aparelho que ainda lhe oferece opções de energia contínua ou alternada, alimentadores convencionais ou USB, ampliando suas opções de local; várias opções de saída externa (caixas acústicas e/ou amplificador, com fio ou bluetooth) ou fone de ouvido, oferecendo-lhe opções de individualidade ou socialização do ambiente, e ainda uma entrada para microfone, possibilitando interagir com a música em andamento e curtir ainda mais seus momentos de lazer. Este é o valor do produto! Quanto ao preço, podemos facilitar o pagamento da maneira que ficar mais confortável para você pagar.

A venda foi efetuada em clima de contentamento e satisfação, com boa flexibilização na forma de pagamento. Ao sair do caixa, a moça (agora cliente) foi acompanhada pela atendente até a porta da loja, quando recebeu desta a sacola com o produto, um abraço suave e um beijo no rosto, com os um sincero “foi um prazer ter-lhe conhecido e atendido”, agradecendo sua preferência e desejando um retorno à loja, em breve.

Em sua empresa, seja qual segmento atua, você tem colaboradores que propiciem um atendimento assim? Ou pelo menos nota 9… Podemos elevar o seu atendimento ao patamar máximo, com pouco investimento e retorno garantido em vendas e lucro. Fale conosco!